Total de visualizações de página

sábado, 20 de março de 2010

Cotidiano da modernidade

Computadores, máquinas e conhecimentos cientificos... A grande diversidade da tecnologia antinge muitas e muitas regiões do mundo todo, mas nem todas as pessoas usufruem deste monitoramento. Como diz um texto que li a pouco tempo: "é preciso ter ciência com consciência" assim deveria ser o uso da tecnologia.
É óbvio relatar sobre este assunto, mas é interessante perceber que nem todas essas pseudo modernidades atingem a todos os públicos. De qualquer maneira, usufruir de muita tecnologia "pode" fazer com que as pessoas se tornem vítimas da modernidade de aparelhos e afins, resultando em pressa de tempo, pressa de falta de tempo, amar de forma automática, ter muitas amizades sem o contato do olho no olho, sem abraço apertado, sem calor humano, se apaixonar pela tela do computador, não sair de frente do vídeo game, ou de sequências de programas de tv, preferir caminhar na esteira ao invés de caminhadas ao ar livre, se alimentar de "coisas" enlatadas, superficiais ao invés de alimentos saudáveis.
Cada vez mais as pessoas estão se esquivando de pisar na grama, na areia, na terra, para andarem em alfaltos.
O não ter tempo para olhar o céu, para contemplar flores, para conversar com as pessoas que amamos, olhar nos olhos do próximo com calma, resulta em crise existencial nas pessoas, por falta de sentido de vida, sentido de amar e ser amado, viver intensamente cada novo dia, um dia de cada vez e com luz no coração.
O não poder ser livre virou modalidade da "elite" e do capital. Tudo é muito para ontem.
Sorte sim, daqueles que não foram e não se deixam influenciar tanto, pela tecnologia.
A modernidade está lado alado conosco; mas vamos viver de maneira mais natural!

sexta-feira, 19 de março de 2010

Se...

"Se amar fosse fácil não teria tanta gente amando mal.
Não se ama porque é fácil, ama-se porque é preciso"
(desconheço o autor)

quarta-feira, 17 de março de 2010

Últimos dias

"Te desejo uma fé enorme, em qualquer coisa, não importa o quê, como aquela fé que a gente teve um dia. Me deseja também uma coisa bem bonita, uma coisa qualquer maravilhosa, que me faça acreditar em tudo de novo, que nos faça acreditar em tudo outra vez".
(Caio Fernando Abreu)



"Não, meu bem, não adianta bancar o distante: lá vem o amor nos dilacerar de novo..."
(Caio Fernando Abreu)

terça-feira, 16 de março de 2010

No silêncio da saudade

É muito bom rever os fatos
reler as entrelinhas
com saudade do seu abraço
da sua presença que em mim permanece.
Já mandei ela embora,
já xinguei não querendo mais,
fiz até promessa
Mas é em vão
Pois seu nome cravou-se no meu coração.
Do dia de ontem, do dia de hoje
Tu és o que soma em mim
e mesmo no silêncio te sinto
Sinceramente te sinto amor
O seu coração
toca melodias no meu
Saudades.